O cenário no mercado de trabalho de tecnologia ainda é desanimador, mas com boas possibilidades para o futuro.

 

Mulheres na tecnologia

 

MULHERES REPRESENTAM APENAS 20% DOS PROFISSIONAIS DE TI NO BRASIL.

 

Relatórios e pesquisas sobre a presença de mulheres em empresas de tecnologia costumam apontar para um cenário que é atualmente desanimador, mas com boas possibilidades para o futuro. Foi o que aconteceu com o estudo 2018 Woman in Tech, por exemplo, que concluiu que as mulheres jovens estão 33% mais predispostas a estudar ciência da computação do que as nascidas antes de 1983.

O estudo Diversity in Tech 2017 avaliou a participação feminina no quadro de funcionários em algumas das gigantes da tecnologia, a diversidade também está aumentando nas grandes empresas dessa área, embora elas ainda tenham um longo caminho a percorrer. Facebook e Instagram contam com 35% de participação feminina em suas equipes, contra 42% do LinkedIn e 31% da Google. A Microsoft fica um pouco atrás, com 26% do quadro de funcionários sendo composto por mulheres.

 

Outro estudo, o Women in Tech 2018, também aponta um cenário pouco animador. Dos 14.616 desenvolvedores de software que responderam à pesquisa, pouco mais de 10% eram mulheres. A maioria ocupando cargos juniores, mesmo estando na faixa dos 25-34 anos.

 

 

AS MAIS PODEROSAS ENTRE AS MULHERES DA ÁREA DE TECNOLOGIA

 

Levando em consideração esse cenário, a plataforma Cuponation compilou uma lista com as seis mulheres mais poderosas da tecnologia, baseada no ranking The World’s Most Powerful Women, criado pela Forbes.

 

 

Sheryl Sandberg1. Sheryl Sandberg

Após ter sido vice-presidente de vendas globais na Google, ela mudou para o Facebook em 2008, onde assumiu o posto de diretora de operações. Sandberg já publicou dois livros onde discute a diferença entre gêneros e resiliência.

 

 

 

 

2. Susan Wojcicki

Diretora executiva do YouTube desde 2014, ela foi responsável por aumentar a contratação de mulheres no site. Foi Wojcicki quem negociou a compra do YouTube pela Google em 2006 por U$ 1,65 bilhões. Atualmente, a plataforma tem um valor estimado em U$ 90 bilhões.

 

 

 

 

Ginni Rometty3. Ginni Rometty

Foi a primeira diretora executiva mulher da IBM. Rometty é cientista da computação e se destacou ao investir em soluções de análise e armazenamento na nuvem, o que compensou as perdas que a empresa vinha tendo com a venda de licenças mais tradicionais.

 

 

 

 

Meg Whitman4. Meg Whitman

Whitman já foi diretora executiva na HP e tem passagem por diversas outras companhias, como a DreamWorks e a Disney. Ela já disputou as eleições do governo da Califórnia pelo Partido Republicano e chegou a ser citada por analistas como alguém com potencial para se tornar a primeira mulher a assumir a presidência dos Estados Unidos.

 

 

 

Angela Ahrendts5. Angela Ahrendts

Deixou o cargo de diretora executiva na gigante da moda Burberry para se tornar vice-presidente de vendas no varejo da Apple. Ela é responsável tanto pelas lojas online como pelos 497 pontos de venda da companhia ao redor do mundo.

 

 

 

Safra Catz6. Safra Catz

É a diretora executiva mulher mais bem paga dos EUA, estando a frente da Oracle desde 2014. Recentemente, foi cogitada para ocupar o cargo de Conselheira de Segurança Nacional dos Estados Unidos, respondendo diretamente ao presidente Donald Trump.

 

 

 

Via TecMundo e B9