É comum a indagação sobre o tamanho do lucro em determinado período de tempo, resultado das vendas que, muitas vezes, se apresentaram acima das expectativas. Acontece que, muitas vezes, mesmo diante do faturamento alto, nem sempre temos o lucro desejado.

faturamento

O faturamento em alta não significada lucratividade certa. É comum que em algumas épocas do ano as vendas aumentem, principalmente nos períodos festivos, como Dia da Mães, Dia dos Namorados e as festas de final de ano. Isso ocorre em todos setores da economia, de acordo com a sazonalidade de cada ramo de atividade.

É IMPORTANTE TER A CLAREZA ENTRE FATURAR E LUCRAR, OU FATURAMENTO E LUCRO.

Faturamento é o montante financeiro que entra no caixa da empresa em determinado período de tempo, contabilizado a partir de vendas dos seus produtos e/ou serviços. Quando está em alta, revela que todos os esforços destinados ao aumento de participação em determinado mercado, proveniente das vendas, estão no caminho certo.

Já o lucro é o montante financeiro que sobrou daquilo que foi faturado, deduzidas todas as despesas operacionais e tributárias destinadas à produção e à venda, as quais a empresas tem que pagar. Essas despesas, conhecidas também como obrigações, são: salários, aluguéis, água, luz, telefonia, manutenções e todos os impostos diretos e indiretos.

Considerando esses conceitos, podemos chegar à conclusão que nem sempre um alto faturamento pode ser garantia de geração de lucro; para que isso ocorra, é necessário que a empresa apure de forma consciente todas as despesas fixas e variáveis de maneira que, ao final do período, tudo que faturou possa pagar seus compromissos, inclusive com seus sócios (pró-labore), e tenha assim sobra de capital, o chamado lucro líquido.

 

Texto original de Arnaldo Vhieira, Coordenador do Curso de Gestão Financeira do Complexo Educacional FMU e Especialista em Estratégia de Negócios.

Publicado originalmente pela revista Exame.com, você pode ler o texto completo aqui.